Blogs de Portugal

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Roupa* old and new*

A roupa é sempre um assunto sensível, principalmente para quem tem filhos e vai ter mais um. Os familiares e amigos adoram dizer que vamos poupar imenso por termos roupa do anterior (seja rapaz ou rapariga porque os neutros caiem sempre bem, e com razão), eu não vejo assim. 
Tivemos a "sorte" de ser outra rapariga e conseguimos ter a certeza que muitas coisas da irmã vão passar para ela, ainda bem porque temos coisas giras que foram usadas poucas vezes e adorava que a baby F conseguisse usar. Depois vem a mãe com a sua natural inclinação para comprar coisas novas. Confesso que com a primeira estive muito virada para os cinzas e azuis, desta vez só me apetece rosa e bege, vá-se lá entender porquê.... depois temos a questão do tamanho, da altura em que nasceram e do estado das roupas. A Mada era mais comprida, esta é mais gordinha, logo tenho algumas roupas que simplesmente nunca serviram (por um motivo e outro), o mesmo com os body´s interiores em que acabei por dar alguns e os com que fiquei estavam enormes da kika e outros em péssimo estado mesmo depois de lavar (muito amarelos), como nasceram em estações diferentes e este Setembro esteve ao rubro com a temperatura também compramos umas peças novas. dei alguns depois da Mada nascer a quem precisou, e agora tive de comprar novos. 

Fiz uma enorme seleção e tenho guardado tudo em casa da avó D, em sacos de vácuo para proteger as roupas. Confesso que espero que a kika use muitas coisas da irmã porque a sensação de rever tudo é maravilhoso e ajuda a poupar... também vos digo, poupa-se imenso com o segundo filho, antes da kika nascer organizei os brinquedos dos 0 aos 6 meses que tínhamos por casa, limpei e guardei. Vão sendo agora utilizados á medida que vai crescendo e interagindo. Por enquanto só as ricas os bonecos de pendurar estão a uso. Mas vamos trazendo de casa da avó D para que ela brinque com peças adequadas á sua idade e crescimento. Já sei que vai ser mais estimulada pela irmão e que provavelmente se vai sentir curiosa pela coisas de crescida... vamos ajudar a combater isso com a introdução e dedicação de tempo para brincar com ela. 

Só há uma coisa que vou comprar, a mesa didática. Já tínhamos uma, mas já foi comprada em segunda mão e o estado dela não era 100%. Vai ser uma prenda muito gira para quando estiver a fazer 12 meses!!!! 

Mas já divaguei do meu ponto principal que são as roupas, não se esqueçam de verificar o estado das roupas, mesmo depois de lavadas (molas, botões, nódoas....) e fazer uma seleção pela idade. Depois é ir comprando mediante necessidade. 

Agora volta a dúvida... o que fazer com estas roupas que estão a deixar de servir? guardo ou dou????!!!! 



sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Terceiro?

Quando temos um bebe na barriga é inevitável pensar como ele vai ser, se terá olhos claros ou escuros, cabelo ou nasce careca, será bonito ou vem todo inchado de um parto normal??? Mais ou menos temos ideia porque como progenitores sabemos/conhecemos as nossas características, mas estranho se torna quando tomamos por garantido que os nossos filhos vão ser parecidos connosco. 

As minhas filhas estão a ensinar-me que esta coisa dos genes é divertida e gira que se farta. Porquê? Porque são as duas completamente diferentes uma da outra, além disso, não são parecidas connosco assim ao pormenor. Dando um exemplo, ambos temos cabelo escuro (mesmo que em miúdos ligeiramente mais claro), forte e grosso, obvio que assumi que as miúdas viessem com um cabelo farto, mais ou menos a nascer com ele pelo ombro, mas a coisa não foi bem assim (a mais nova ainda não sabemos). A mada nasceu careca, e hoje posso dizer que é loira, não completamente mas é loira. No entanto tem cabelo fino, não de ratinha, mas fino. Vou cortando mais vezes para ver se engrossa, mas dá-me a sensação que a genética forte do pai e da mãe não passou para ali. Deve ter calhado um gene da tia L que tem o cabelo parecido ao dela. Vá-se perceber.... A mais nova parece ter ali um olho mais a puxar ao claro, mas deve ir para o castanho... já não digo nada porque tem avós com olhos claros e pode claramente lá ter ido buscar o gene. Acho isto divertido, aliás adorava ter mais filhos para ver até onde iriam estas combinações, e que junções divertidas iriamos ter. Sim eu sei, sou maluca, não terei mais filhos por isso... Mas não deixa de ser uma ideia!!! ahahaha 

Agora que falo em filhos é que percebo que a baby F pode ser a nossa última, que não me despedi da barriga, que estes 2 meses voaram, e que está a crescer a olhos vistos e a cada mês deixa para trás um pouco mais do bebe para se tornar numa criança e depois num adulto... Se por um lado vivo feliz e preenchida com isso, porque como mãe também sou mulher e quero desfrutar do homem e de momentos a dois num futuro próximo, por outro lado esta coisa da maternidade atinge-nos, e por mais que queiramos definir o fim não se consegue, é triste até. 

Se acho que dois é o ideial? Sim. Se ficarmos por aqui (que é o mais provável) sinto-me plena, mas adorava explorar a ideia de termos mais um. Sempre me vi com três filhos, sempre vi a minha vida e a nossa com três, sempre achei que uma casa precisa de três filhos e dois pais!!! Sempre quis a casa cheia. Além disso fará mal tentar o rapaz??? Calhando a boa possibilidade de ser novamente uma miúda, ficava mais radiante. O rosa nunca é demais.... bem, ando a divagar porque se tenho dias em que me sinto sozinha e deprimida porque estar 24h com um baby é exaustivo como posso ter cabeça para achar que iria ao terceiro? Porque ADORO ser mãe, identifico-me e sei que é das coisas onde sou melhor e me sinto melhor. Mas é algo que vou ter de pensar, porque as primeiras roupas da F estão a encolher e vou ter de fazer alguma coisa com elas... ou guardo a pensar noutro filho ou dou tudo.... vamos ver... vamos mesmo ter de ver.....* Sou maluca não sou????



quarta-feira, 8 de novembro de 2017

41*

Quando soube a data provável de parto da segunda baby fiquei claramente a achar que ia sair mais cedo. Preparei tudo nesse sentido e quando digo tudo, foi encher a cómoda dela com roupas de verão, que cheiravam a noites quentes de Agosto e toda uma panóplia de mini casacos que só aqueciam um dedo mindinho. A pessoa (eu) sonhava com um baby a vestir roupa leve e fresca, aproveitar o pé na areia e desejosa de a ver dormir só com um lençol, sem medo do frio. 

Pois que a coisa nunca é bem como imaginas, e a miúda não se ficou por menos. Não só passou Agosto como também passou a data provável para nascer. E de repente entravamos na segunda semana de setembro e toda a gente me perguntava quando é que ela ia nascer.

Dei por mim de manha, sentada na cama a olhar para o berço com as lágrimas a caírem pelo cansaço, pela falta de movimento, pela ansiedade e medo do inesperado. Já a desejava como nunca nos meus braços.... Esta miúda nasceu com 41 semanas, não saiu gigante, mas saiu bem e com cabelo, cheia de expressão e com imensa vontade de mamar. 

Faz diferença nascer ás 38 e as 41 semanas, eu não imagina quanta... vou enumerar algumas das que me deixam ainda de boca aberta, e sei agora que se tivermos outro filho irei fazer os possíveis para aqui ficar até ao fim!!!

- Mamar até mais não (foi ótimo ter uma filha que não perdeu 10% do peso ao nascimento);

- Bom controlo dos músculos do pescoço (a miúda aguenta a cabeça direita);

- Bons reflexos, boa sucção e controlo nos seus refluxos;

- Consegue distinguir o dia da noite (e já sabe que de noite é para dormir... fofinha de sua mãe);

Podia numerar mais alguns, mas até estes não consigo dizer a 100% que foram devido ao tempo longo de gestação ou simplesmente por ela ser assim (quero acreditar que sim porque foi muito duro chegar as 39 semanas e ainda continuar gravidíssima...). 

Só posso dizer que no dia antes dela nascer fui a praia, sozinha, estive na areia, comi bola de Berlim, dei vário mergulhos, li e desfrutei.... talvez a tranquilidade que senti tenha passado para ela e hoje sinto que esta bebe é a coisa mais calma de sempre... espero que quando chegar a altura (gatinhar e dentes e aquelas coisas todas boas) arrebites, e nos brindes com uma energia sem fim para aguentares a pedalada da mana mais velha*

És perfeita meu amor* 

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Decor*

Decidimos que as miúdas vão ficar no mesmo quarto, isso também vai reduzir o espaço que o mesmo tem, fazendo com que tenhamos ainda mais brinquedos espalhados pela casa. 
Gosto da sensação de termos uma casa que cheira e respira bebé por todo o lado, por outro também gostamos que as coisas estejam mais ou menos dentro de ordem, parecendo que ainda vivem adultos por aqui.

Ajustámos o quarto delas para que consigam ter uma boa parte vazia e com espaço para alinharem a criatividade, mas estava a faltar um móvel com estantes. É que nesta casa não podemos fazer furos ou ficamos sem paredes, então temos de optar por armários ou roupeiros onde consigamos enfiar tudo. 

A casa da sogra também é uma ajuda porque é espaçosa, e podemos ir levando algumas coisas que já não fazem falta ou as miúdas já não brincam tanto, deixando também coisas por lá que tantas vezes facilitam a nossa logística (não é fácil levar e trazer roupas e brinquedos tantas vezes).

Em muitas das minhas buscas, entrei no site da Vertbaudet e encontrei um armário que adorei. Tem o formato de uma casa, é alto e espaçoso, e consegue cumprir aquilo que pretendemos. Vou organizar alguns brinquedos que a baby F vai usar daqui a uns meses e organizar outro da Mada que andam espalhados pelas cómodas da casa. 

Não conseguimos ter um quarto de brinquedos, temos espaço para isso, mas não podemos tomar tudo e transformar para que elas tenham mais, senão controlar o que já têm pode ser um problema. Quero que cresçam a perceber que há espaço para tudo em casa. 

Agora só preciso esperar que chegue, que o homem não tenha um fanico e que monte o móvel feliz e sorridente ahahaha!!! 

A contar os dias para tornar o quarto delas ainda mais bonito*




Estou encantada... e vocês?*

|crédito de imagem: vertbaudet

sábado, 14 de outubro de 2017

Valor*

Quem é que não gosta de passar a tarde em casa dos pais ou avós a recordar a infância juntamente aos álbuns de fotos cheios de pó fofinho? Digam lá que não é a coisa mais querida vermos todos os nossos momentos registados, guardados e escritos na parte de trás das fotos, como se de um evento importante se tratasse.

Pois que hoje em dia isso não acontece, os nossos filhos não andam a ver as suas fotos em papel, mas sim em formato tecnológico, mais propriamente nos smart phones e afins. Uma pessoa começa a ficar nostálgica e quer voltar ao antigo, para que eles consigas sentir a mesma emoção que nós (seja isso bom ou mau). 

Da nossa primeira ofereceram-nos álbuns para colocarmos as informações mais importantes, como quando começou a andar e coisas do género, sempre acompanhadas de imagens. Completei a parte escrita, mas a nível de fotos puf não houve nenhuma. Da segunda, quis fazer diferente e dar-lhe oportunidade de ter algumas fotos, mas tudo na mesma. 

Bem, mas isso não interessa porque o que queria mesmo era dizer que há álbuns giríssimos para recordar as coisas mais queridas do primeiro ano deles (depois acaba por ser mais do mesmo lol) e nos obrigar a imprimir as fotos!!!

Já prometi a mim mesma que vai ser uma tarefa a terminar, para me deixar a mim feliz e orgulhosa e elas terem umas memórias giras para folhearem daqui a uns anos. 

Fica a ideia de que estes álbuns são também presentes fantásticos para quem espera bebé*



|crédito de imagem: Mafaldanoblog

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Amamentar*

Quando descobri que estava grávida pela segunda vez comecei a pensar na questão amamentação. Como não amentei na primeira vez (a pega nunca foi um sucesso e como o peso que estava a ganhar era pouco passamos para LA), estava curiosa para saber como iria correr na segunda. 

Sou mãe, mas também mulher e talvez a minha vertente mais independente me tenha feito sentir receosa relativamente a isso. Tirar a mama cá para fora de cada vez que ela quisesse mamar, podia ser de hora em hora ou talvez mais, estava a encarar como uma "prisão". Há muitas pessoas que não me entendem e provavelmente acham este tipo de pensamento indigno de quem é mãe, eu gosto de pensar que faz parte de mim, da minha maneira de ser e em nada tem a ver com o amor que nutro pelas minhas filhas. Se existe amor maior na minha vida são elas e por elas faço tudo (então se fazes tudo, podes dar de mamar porque é o melhor para ela). E dou, muito, todos os dias e noites. Como ainda estamos a passar a maior parte dos dias em casa, ela sempre que tem fome, cólicas ou simplesmente chora, vem para o peito. Sinto-me confortável com isso. Mas também me sinto bem se tiver de lhe dar LA ou do meu leite retirado pela bomba. Como em tudo na vida, não acredito em fundamentalismos, e acho/acredito que devemos sempre fazer o que for melhor na gestão familiar. 

Por isso, aqui andamos, sem pressas nem medos, a disfrutar uma da outra. Quando chora mama, quando quer conforto mama, quando tem pequenas cólicas mama, quando só quer aquele quente mama. 

Estou feliz, muito tranquila e vou deixa-la mamar pelo tempo que ela quiser, não o que eu quiser, mas o que ela quiser e estou inteiramente feliz com esta escolha* 

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

O ninho*

Quando a Mada nasceu optamos por comprar um berço, de todos os que vimos o da chicco foi o que nos cativou mais. Também escolhemos uma cor neutra porque pensamos que se tivéssemos outro bebé serviria tanto rapariga como rapaz. 

A compra foi bem sucedida, mas não para o primeiro mês. A Mada sentia-se muito larga lá dentro, nada confortável, e isso dificultou as noites. Tentamos inúmeras maneiras de a tentar aconchegar, mas nenhuma com sucesso. Quando engravidei da kika, não quis correr o mesmo risco e decidi investir no ninho. 

Tive várias pessoas a dizerem que estava a fazer um investimento caro, que ia durar pouco tempo porque eles crescem rápido, entre outras coisas. Claro que quem o disse fez na melhor das intenções, mas quem passa pelas noites sou eu e o pai e como tal, temos de fazer o que achamos melhor para a gestão da casa/bebé. Foi decididamente o melhor investimento. 

A kika ainda passa muito tempo deitada, entre a mama e o seu dormitar diurno, e achamos que se aconchega muito melhor com o ninho. De todas os sites que vi, o da Coral foi o que mais gostei. Optamos pelo GreyStars, uma cor neutra e discreta. gosto de colocar um lençol da cama de grades com elástico por cima durante o dia, de noite opto por não ter nada. 

Estamos super satisfeitos, e a kika tem feito as melhores sestas/noites ali. há medida que for crescendo vamos abrindo para se sentir mais confortável. 

Nunca tomem decisões pelos outros, cada pai e mãe sabe qual a melhor gestão da sua casa e do seu bebé.

Podem ver mais destes ninhos em coralcoloratelier.tictail.com!